Suplementação estratégica antecipa a puberdade de fêmeas

Guilherme de Souza Vasconcellos
Coordenador de Inovação e Ciência Aplicada para Ruminantes – DSM

A pecuária nacional ocupa posição de destaque no cenário global, consolidando-se como a segunda maior produtora e a maior exportadora de carne do mundo (Abiec, 2018). Das 194 milhões de cabeças registradas em 2018, cerca de 80 milhões são fêmeas em idade reprodutiva e 53 milhões são bezerros lactentes (Anualpec, 2019). Desta forma, garantir o desempenho reprodutivo das fêmeas é decisivo para promover a oferta de novos animais para o ciclo produtivo e atingir uma ótima rentabilidade na bovinocultura de corte.

Neste cenário, a produção em pastagens é a base da alimentação para 90% dos animais, sendo o pasto a principal e mais econômica fonte de nutrientes. Entretanto, somente a forragem não é suficiente, pois não contém todos os nutrientes essenciais nas quantidades adequadas para atender integralmente às exigências de animais em pastejo. Isso ocorre porque a disponibilidade e a qualidade da pastagem apresenta estacionalidade, com a produção da forragem concentrada no período chuvoso e prejudicada na seca.

Assim, um dos principais desafios é acelerar o início da puberdade de novilhas Bos indicus em pastejo, uma vez que estas são desmamadas ao início do período seco e, por este motivo, podem apresentar baixos ganhos diários de peso vivo durante a recria. Este fator prejudica o início de sua primeira gestação e aumenta o tempo necessário para a ocorrência
do primeiro parto. Segundo Paulino et al. (2017), para que o acasalamento de fêmeas com quatorze a quinze meses de idade seja viabilizado e o primeiro parto ocorra com 23-24 meses, o manejo nutricional nos pós-desmame deve possibilitar crescimento contínuo durante a recria, com ganhos em torno de 650g/animal/dia. Portanto, adotar estratégias nutricionais adequadas para fêmeas em recria é de suma importância para
o estabelecimento da puberdade.

Alguns trabalhos na literatura mostram que vacas com primeiro parto aos 24 meses apresentam 0,5 a 0,8 mais bezerros durante toda a sua vida produtiva, quando comparadas às novilhas que pariram somente aos 36 meses de idade (Eler et al., 2010). A puberdade fisiológica, por definição, ocorre com o aumento na concentração e na frequência dos pulsos de hormônio luteinizante (LH) e diminuição da sensibilidade ao feedback negativo de hormônios esteroides, permitindo a ocorrência da primeira ovulação, formação do corpo lúteo e síntese de progesterona, hormônio necessário para manutenção da gestação.

Contudo, a puberdade zootécnica também precisa ser considerada nos programas de intensificação, pois será determinante para que as fêmeas consigam levar a gestação à termo. O momento ideal para que uma fêmea bovina entre em reprodução é ao atingir 65%-70% do peso adulto, pois, neste momento, o requerimento energético para crescimento e desenvolvimento diminui, e o excedente de energia passa a suprir a gestação e a lactação. Estudos mostram que maiores taxas de puberdade e prenhez foram obtidas quando novilhas Bos indicus atingiram 72,2% do peso vivo adulto ao início da sua primeira estação de monta, comparadas às que tinham apenas 64% do peso adulto (Moriel et al., 2014).

A suplementação estratégica é uma excelente ferramenta e deve ser adotada para promover aumento no ganho de peso diário em fêmeas pós-desmame e, consequentemente, a chegada à puberdade zootécnica. Em estudo realizado por Silva et al. (2017), fêmeas Nelore, recebendo suplementos com 25% PB a uma oferta de 0,3% PV ou 0,6% PV, apresentaram aumento no consumo de proteína, matéria orgânica e energia quando comparadas às fêmeas suplementadas apenas com mistura mineral. Este fato permitiu um maior ganho médio diário (GMD) para fêmeas suplementadas a 0,6% e 0,3% PV, com ganhos de 407 e 306 g/dia, respectivamente. Já fêmeas suplementadas somente com mineral durante a recria apresentaram GMD de 157g/dia, sendo inferior aos demais grupos. Com isso, o peso ao início da estação de monta seguiu o mesmo comportamento, sendo 297, 275 e 244 kg, respectivamente (P<0,01; Figura 1). Fêmeas do grupo de suplementação estratégica apresentaram maiores folículos dominantes, indicando um melhor preparo do sistema reprodutor para o início da primeira gestação.

Estudos também comprovaram os efeitos positivos da suplementação estratégica nas taxas de prenhez de novilhas Nelore. Almeida et al. (2019) avaliaram fêmeas recebendo diferentes tipos de suplementação por 180 dias após a desmama, nos períodos de seca e transição seca-águas. As novilhas que receberam suplementação estratégica na recria (ofertada a 0,4% ou 0,6% PV) apresentaram maior taxa de prenhez geral ao término da sua primeira estação de monta, enquanto as que receberam apenas mineral não tiveram nenhuma prenhez confirmada (46,7% vs. 0,0%). Além disso, o GMD também foi menor nas novilhas recebendo somente suplemento mineral na recria, o que pode ter causado um atraso na elevação e na frequência dos picos de LH e, consequentemente, na ovulação, formação do corpo lúteo e puberdade.

Outro grande benefício em promover a intensificação da recria para a antecipação da puberdade está na qualidade dos bezerros produzidos no ano seguinte. Segundo Cushman et al. (2013), novilhas prenhes ao início da sua primeira estação de monta apresentam maior longevidade no rebanho. As novilhas suplementadas na recria tiveram maiores taxas de prenhez nas seis estações de monta seguintes, enquanto seus bezerros apresentaram maior peso à desmama, em comparação às novilhas que receberam apenas mineral.

Em trabalho realizado por Moriel e colaboradores (2018), “três taxas de GMD foram utilizadas durante a recria para testar seus efeitos na puberdade de novilhas Angus x Brahman (Baixo-0,450; Médio-0,730 e Alto-1,000 kg/dia). Segundo os autores, aproximadamente 24,9%, 43,9% e 47,4% das novilhas com baixo, médio e alto GMD, respectivamente, atingiram a puberdade ao início da primeira estação reprodutiva (Figura 2). Ainda, as novilhas de médio e alto GMD apresentaram maior concentração de partos no início da estação de parição, enquanto as fêmeas recebendo suplementação para baixo GMD tiveram seus partos mais tardios.

Estes resultados comprovam que a suplementação estratégica é uma excelente ferramenta para antecipar a puberdade de novilhas, permitindo um incremento no número de bezerros dentro da propriedade e a redução no tempo necessário para o primeiro parto. A Tortuga, uma marca DSM, conta com soluções inovadoras que garantem a fertilidade das fêmeas e aumentam a lucratividade dos rebanhos de cria, tornando a pecuária nacional mais competitiva e sustentável.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA et al., 2018. Nutritional planning for Nellore heifers post-weaning to conception at 15 months of age: performance and nutritional, metabolic, and reproductive responses. Trop Animal Health Pro, v. 51, p. 79-87.

CUSHMAN et al., 2013. Heifer calving date positively influences calf weaning weights through six parturitions. J Anim Sci, v.91, p. 4486–4491.

MORIEL et al., 2018. Effects of post-weaning growth rate and puberty induction protocol on reproductive performance of Bos indicus-influenced beef heifers. J Anim Sci, v. 95, p. 3523-3531.

PAULINO et al., 2017. Recentes avanços em estratégias de suplementação de bovinos de corte em pasto. In.: SIMPÓSIO MATO-GROSSENSE DE BOVINOCULTURA DE CORTE, 4, Cuiabá, 2017. Anais… Cuiabá: SIMBOV, 2017.

SILVA et al., 2017. Performance, endocrine, metabolic, and reproductive responses of Nellore heifers submitted to different supplementation levels pre- and post-weaning. Tropical Animal Health and Production, v. 49, p. 707-715.

Fale conosco:

0800 110 6262

Sigam nossas redes socias:

Quer receber nossas novidades em primeira mão? Cadastre-se!