Biotina garante a saúde dos bovinos confinados, com benefícios produtivos e econômicos

Victor Valério de Carvalho, PhD
Supervisor de Inovação e Ciência Aplicada – Ruminantes Latam DSM

A biotina, também conhecida como vitamina B8, é fundamental para a saúde dos animais, pois atua como cofator de várias enzimas envolvidas na gliconeogênese, na síntese e na degradação de ácidos graxos, na síntese de proteínas e na degradação de aminoácidos.

Os microrganismos do rúmen têm a capacidade de sintetizar a biotina, que se torna disponível para os animais. Entretanto, de acordo com o estudo de Abel et al. (2001), quando o percentual de inclusão de concentrado na dieta aumenta de 17% para 83,3%, ocorre uma redução de 78% na disponibilidade de biotina no rúmen (Figura 1). Isso indica maior utilização e/ou menor síntese de biotina no rúmen nesse perfil de dieta, que, atualmente, é bastante comum nos confinamentos brasileiros.

Bovinos de corte em confinamento são mais suscetíveis a deficiências vitamínicas, devido à elevada taxa metabólica e à demanda por nutrientes durante a terminação. A deficiência de biotina está relacionada principalmente a cascos moles e quebradiços. A biotina tem função essencial nos processos de formação estrutural do cascos dos animais, referente ao controle, à produção de queratina e à diferenciação de células epiteliais, processos fundamentais para o enrijecimento dos cascos dos animais.

Diversos estudos comprovam que a suplementação com biotina para bovinos reduz a incidência de hemorragias e úlceras de sola, da doença da linha branca (separação da sola), de dermatite digital e interdigital, fissuras verticais e ranhuras horizontais (Campbell et al., 2000). Ocorrências que prejudicam consideravelmente o desempenho animal, por comprometer a saúde e o bem- estar, além de prejudicar o consumo de matéria seca, um dos principais fatores relacionados aos resultados bioeconômicos do confinamento.

BIOTINA MELHORA O METABOLISMO ENERGÉTICO DOS ANIMAIS E POTENCIALIZA O DESEMPENHO
A biotina também é um elemento essencial para os microrganismos do rúmen. Grande parte das bactérias celulolíticas, reponsáveis pela degradação da fibra dos alimentos, necessita de biotina para seu desenvolvimento, assim como outras bactérias ruminais produtoras de propionato. Além disso, a biotina atua como cofator de enzimas que atuam na gliconeogênese no fígado;ou seja, essas enzimas dependem da presença de biotina para que ocorram as reações de síntese de glicose a partir do propionato no fígado de ruminantes (Ferreira et al., 2007).

Estudos científicos demonstram que a suplementação com biotina pode alterar o metabolismo ruminal como resultado do maior aproveitamento das fibras e, também, devido ao aumento da produção de propionato, que, por sua vez, aumenta a disponibilidade de glicose para os animais. De fato, em vacas de leite, a suplementação com 20 mg de biotina por dia elevou a produção de leite em 2.8 kg/dia (Zimmerli and Weiss, 2001).

Os ruminantes são altamente dependentes da glicose produzida no fígado para atender às suas exigências por esse elemento. Para bovinos de corte confinados, a maior disponibilidade de glicose traz diversos benefícios produtivos e econômicos. Além de ser fundamental para atender às exigências de energia dos animais e maximizar o desempenho, o aumento na disponibilidade de glicose resulta em maior formação e desenvolvimento da gordura intramuscular (Smith and Johnson, 2015), o famoso e tão desejado marmoreio, cada vez mais valorizado pelos mercados interno e externo.

O aumento do grau de marmoreio da carne a torna mais suculenta e melhora sua palatabilidade. O Brasil tem uma demanda intensa e crescente por esses padrões de produtos, aquecida pela maior exigência dos consumidores por carne de qualidade e pela criação de bons programas de qualidade, que podem trazer remunerações muito interessantes para os pecuaristas, por produto de maior valor agregado.

A suplementação com biotina torna a dieta mais segura para os animais, sendo muito importante para períodos mais longos de cocho, em operações que exploram ao máximo o potencial de carcaça dos animais, diluindo os custos de reposição e aumentando o lucro da atividade.

A linha de suplementos nutricionais de alta tecnologia para confinamento da Tortuga, uma marca da DSM, fornece aos animais quantidades ótimas de biotina de alta qualidade (Rovimix Biotin®), exclusiva em nossos produtos, que garantem saúde e bom desempenho aos animais, trazendo maior rentabilidade financeira ao confinador.

REFERÊNCIAS
Abel, HJ. et al. Effect of increasing dietary concentrate levels on microbial biotin metabolism in the artificial rumen simulation system (RUSITEC). Archives of Animal Nutrition, 55 (4), 371-376, 2001.

Campbell, J. R., Greenough, P. R., & Petrie, L. The effects of dietary biotin supplementation on vertical fissures of the claw wall in beef cattle. The Canadian Veterinary Journal, 41(9), 690, 2000.

Ferreira, G., Weiss, W. P. Effect of biotin on activity and gene expression of biotin-dependent carboxylases in the liver of dairy cows. Journal of dairy science, 90 (), 1460-1466, 2007.

Smith, S. B., & Johnson, B. J. Marbling: Management of cattle to maximize the deposition of intramuscular adipose tissue. White paper. Beef Research, 2015.

Zimmerly, C.A., Weiss, W. P. Effects of supplemental dietary biotin on performance of Holstein cows during early lactation. Journal of Dairy Science, v. 84, p. 498-506, 2001.

Fale conosco:

0800 110 6262

Sigam nossas redes socias:

Quer receber nossas novidades em primeira mão? Cadastre-se!